UOL Música

Universo Sertanejo

30/01/2010

Entrevistas do programa Universo Sertanejo

A partir desse sábado, eu vou publicar aqui, em texto, as entrevistas feitas para o nosso programa de rádio.

Como nem todos têm o costume de ouvir rádio na internet, os textos ficarão aqui para que ninguém fique sem saber o que se passou nesses programas.

As duas primeiras edições (13/01 e 20/01) contaram com convidados. Na primeira, o cantor César Menotti, e na segunda, o Daniel.

As conversas vão abaixo, seguidas dos links dos programas, para quem ainda quiser ouvir.

___

César Menotti

-Sobre o último trabalho, lançado no final de 2008, e trabalhado ao longo de 2009

Graças a Deus, esse último trabalho nos deixou muito honrado, o "Voz do Coração ao vivo", já que a música sertaneja tem vivido um momento novo, com muitas duplas, muitas músicas, e a gente sobreviveu a tudo isso, cantando esses quatro anos pelo Brasil.

Só temos que agradecer e ser feliz com o que tem acontecido conosco até agora.


-Sobre ter sido uma das duplas responsáveis por fazer o sertanejo voltar a ficar em evidência

A gente fica feliz porque não foi algo que a gente pretendia, não foi intencional. Acho que a gente foi muito feliz por vir com um trabalho diferente quando tinha uma brecha, cabia algo diferente ali, e Graças a Deus isso com certeza abriu portas pra muitas duplas.

Eu me sinto honrado e feliz, mas não vejo a gente como responsável, porque acho que o sertanejo já era forte independentemente da gente. Mas fico feliz por ter vindo no momento certo com um trabalho diferente.

-Sobre a formação musical da dupla

Se eu falar que eu e o Fabiano somos uma dupla raiz, seria demagogia, mas nós temos a raiz, e é a música que eu escuto no meu carro. Eu cresci ouvindo Dino Franco e Mouraí, Zico e Zeca, Tião Carreiro e Pardinho, Liu e Léu, e com certeza essa é a base da nossa música hoje.

___

O cantor escolheu duas músicas para o programa: "Maluco por você", deles mesmos, como foi pedido, e "Minha Mensagem", de Dino Franco e Mouraí

Para ouvir essa edição do programa, é só clicar na imagem abaixo.

___

Daniel

-Sobre o novo DVD, gravado no dia 13 de janeiro, previsto para o final de março/começo de abril

A vontade de gravar esse DVD surgiu do próprio show "Raízes", que a gente fazia em São Paulo. Surgiu essa vontade por causa dessa questão acústica, que eu nunca havia feito.

Lógico que a gente quer o melhor, mas nem sempre sai como a gente quer. Mas enfim, num contexto geral, eu fiquei muito feliz com o resultado,  e espero que os fãs que me acompanham gostem, pois é um trabalho diferente, que traz também uma retrospectiva da minha carreira artística, alem de três canções inéditas.


-Sobre regravar canções da dupla João Paulo e Daniel

Na verdade, eu tenho vontade de fazer um relato da nossa história juntos. Não sei se vou ter essa possibilidade, mas tenho essa vontade, regravar nossas músicas, relatar nossa história.

Fico feliz por ver alguns amigos e os novos talentos regravando coisas do João Paulo e Daniel, porque mostra que nós conseguimos nos firmar na história e acabamos virando referência pra esse pessoal.

Não sei se vou fazer ou não, mas eu tenho essa vontade no coração, sim.

-Sobre o projeto Meu Reino Encantado e a vontade de cantar apenas moda de viola

Eu tenho o projeto, que tá na gaveta ainda, de fazer um DVD do "Meu reino encantado", dar continuidade a essa trilogia. Eu nasci numa familia  que só ouvia esse gênero, meus pais vieram da roça, é o que eu tenho no meu coração. Eu gosto desse estilo, acho que tem qualidade, veracidade, tem letras belíssimas, se você regravá-las, elas se tornam atuais.

Então, se eu pudesse, se eu tivesse essa possibilidade, eu faria esse estilo, investiria muito mais nesses estilo, mas o mercado nos pede algo um pouco mais comercial, talvez por um espaço numa emissora de rádio, pra poder levar seu show pra algum lugar.

Essa questão de falar de amor, romantismo, está mais próximo dos nossos fãs, tem mais possibilidade de fazer sucesso, por isso a gente não envereda pelo no outro estilo, mas eu sou fanático por ele.

A minha vontade é de fazer um DVD na fazenda, reunindo algumas duplas que fizeram parte do projeto. Se Deus quiser, a gente vai fazer.

-Sobre o caráter performático do show, com a participação do cantor nas coreografias

Com o passar do tempo, você vai tentando se habituar, se colocar na situação. Nesse show, a gente teve poucas pitadas de balé, mas mais diferenciadas, talvez com mais impacto. Eu acho que é a questão de você usar na hora certa, não saturar. É complicado um novo show. Você trazer algo diferente depois de tanto tempo na estrada é complicado.

___

O cantor escolheu duas músicas para o programa: "Pode ser", canção de seu repertório, e "Nelore valente", nas vozes de João Paulo e Daniel.

Para ouvir essa edição do programa, é só clicar na imagem abaixo.

Bom sábado =)

Por André Piunti às 06h03

29/01/2010

Música do povo

A música sertaneja, nos anos 1990, foi um movimento incontestável, como todos nós estamos cansados de saber, apesar de ser "esquecido" por parte dos que escrevem sobre cultura popular.

A rapidez aparente com a qual uma imensidão de duplas surgiu fazendo sucesso, surpreendeu aos que dominavam a cena musical por mais de décadas.

De um dia para o outro, uma quantidade considerável de novos artistas tomou a TV e as rádios, com uma música que até então só tinha algum destaque regionalmente, composta por eles mesmos, e produzidas por nomes desconhecidos, até então.

O sucesso que essa turma conseguiu, é explicado pelo seu público alvo: a grande massa. Independentemente das classes média ou alta, quando se está bem com esse público, o caminho fica bem mais fácil (o exemplo recente mais notório é o Calypso, que foi enfiado goela abaixo dos que não os suportavam, por contarem com o apoio massivo dessa classe).

E creio que seja consenso entre todos que frequentam aqui, que a música sertaneja sem seu caráter popular, deixa de ser música sertaneja.

A popularidade que esses cantores atingiram, principalmente as duplas que formaram os AMIGOS, é uma boa lição para as os novos artistas que a todo custo tentam se manter no mercado.

Aqui mesmo, no comecinho do ano, eu comentei a notícia de que Zezé e Luciano tinham o disco mais vendido do ano passado. A dupla não esteve, nos últimos 10 anos, tão em evidência como nos anos 1990, nem emplacou tantos sucessos como na década anterior. Mesmo assim, lá estão eles, vinte anos depois, em primeiro lugar.

Você pode dizer "ah, mas teve o filme, que os colocou em evidência".

Pense, então, no Leonardo. Mudou de estilo, se assumiu romântico, ficou um tempão sem regravar suas coisas antigas e, mesmo assim,  leva consigo uma imensidão de seguidoras fiéis que segurarão qualquer onda se por acaso um novo CD não for bem de vendas ou de repercussão.

Tem gente que vai dizer que eles vivem de passado. A verdade é que eles vivem do povo. O ídolo descartável dos jovens de classe média não existe para o povão. E é justamente nesse ponto que a imensa maioria das duplas atuais corre o risco de tropeçar.

Qual artista sertanejo, surgido nos últimos 5 anos, é realmente popular? Quem deles lota shows com todo tipo de gente? Quem reúne público para ser visto e ouvido, e não apenas pela festa que proporciona?

O papo de que "esse sertanejo novo some logo" é cada dia mais recorrente entre as pessoas que trabalham no meio, mas independentemente de quanto dure (já esta durando, na verdade, mais do que muitos acreditavam), o fato é que vão sobrar, daqui 5 ou 10 anos, aqueles que conseguirem conquistar o único público que realmente importa.

A máxima antiga, de que "fazer sucesso é fácil, difícil é permanecer", tem se mostrado muito real nesses últimos tempos, principalmente pelo fato de muita gente ter conseguido aparecer e ganhar dinheiro nesse novo mercado sertanejo.

Agradar ao povão não é a tarefa mais difícil do mundo, mas se lembrar desse povo na hora de fazer um disco novo, de pensar no futuro da carreira, em meio a uma batalha de egos constante que é o mercado, é tarefa que muitos acabam deixando por fazer.

Aí...

Por André Piunti às 00h30

28/01/2010

Rick lança dupla ao lado do filho

O cantor Rick, da dupla Rick e Renner, acaba de lançar uma dupla ao lado de seu filho, Victor.

No ano passado, quando eu entrevistei o Rick aqui para o Universo Sertanejo, ele contou que estava produzindo o primeiro CD do Victor, e que iria participar dele, mas não imaginei que a parceria chegasse a tanto.

No fim da noite dessa quarta-feira, eu consegui conversar rapidamente com o Rick, e ele disse o seguinte: "percebendo o talento que meu filho tem, decidi fazer um trabalho em comum com ele, misturando o gosto pop dele com o meu sertanejo, realizando assim, um sonho nosso".

Aos que, com certeza, vão perguntar, já respondo: a dupla Rick e Renner continua.

A música de trabalho acaba de ser lançada, e está aqui logo abaixo para quem quiser ouvir.

Eu pude conferir o CD inteiro ontem e realmente vai ser algo para se prestar atenção, mesmo pelo fato de o Rick ser um dos produtores mais bem sucedidos dos últimos anos.

Comentários e suposições, eu deixo para vocês. Assim que as músicas forem saindo, a gente volta ao assunto.

Abaixo, a canção "Confessando".

Por André Piunti às 00h27


Chrystian & Ralf e o novo CD

Não costumo postar textos de assessoria de imprensa aqui, mas algumas vezes vale a pena, principalmente quando as informações sobre determinado assunto ainda são poucas.

Ontem, quarta-feira, foi distribuídio um mailing sobre o novo CD da dupla Chrystian e Ralf, com lançamento programado para o mês de março.

O texto, na íntegra, vai abaixo.

___


Os fãs de Chrystian e Ralf podem se preparar. Após nove anos sem um disco de inéditas, a dupla acaba de finalizar a produção do novo álbum, que será lançado em março.

Nas últimas semanas, a rotina dos cantores foi marcada por horas diárias de gravações nos Estúdios Mosh, em São Paulo. Segundo quem teve acesso ao material, o destaque do disco está no âmbito musical, que "mostra uma nova personalidade para a música sertaneja, diferente de tudo o que já foi produzido anteriormente."
Além do SMD (Semi Metalic Disc), está previsto o lançamento - ainda sem data definida - de um SMDV (Semi Metalic Disc Video) com o registro das gravações em estúdio e bastidores.

Em março, quando o público desvendar por inteiro o décimo nono álbum da carreira, a dupla será responsável não apenas por um dos lançamentos mais aguardados, mas também por ditar novos rumos para o gênero no qual ela sempre esteve à frente do seu tempo.

Por André Piunti às 00h18

27/01/2010

Programa Universo Sertanejo #3

Fala, pessoal.

Entrou no ar a terceira edição do programa Universo Sertanejo.

Essa foi a edição mais eclética até agora, com Victor & Leo, Trio Parada Dura, Zezé di Camargo & Luciano e Liu & Léu, entre outros.

Para quem quiser ouvir, basta clicar na imagem abaixo. Quem quiser conferir os programas antigos, também é só clicar sobre a imagem e procurar a edição que quiser, é bem simples, todas ficam disponíveis no mesmo lugar.

Por André Piunti às 19h26


Videoclipe

Está voltando a virar moda os sertanejos fazerem videoclipes. Hugo e Thiago gravaram com Zezé e Luciano, Eduardo Costa lançou dois e uma vez, e ontem eu recebi por email o vídeo da dupla Erick e Léo, uma das que apareceu com a música "Locutor".

Se vocês virem mais clipes legais de duplas rolando na internet, podem me passar que eu publico por aqui.

Abaixo, "Micareta", de Erick e Léo.

Por André Piunti às 18h08


O sertanejo na era da internet

Desde o começo da semana, eu estou participando da Campus Party, esse evento sobre tecnologia e internet que está acontecendo em São Paulo, que vocês talvez tenham visto em sites ou na TV.

De centenas de assuntos debatidos, dois têm certa relação com a gente: a necessidade que uma marca tem de manter seus consumidores sempre próximos, e de quais formas essa marca pode conseguir destaque dentro da internet.

São dois assuntos que remetem diretamente à situação dos sertanejos na rede. Os sertanejos, no caso, as marcas, e os consumidores, os fãs.

As comunidades do Orkut, mantidas por internautas, são os maiores pontos de encontro de fãs das duplas sertanejas. Apesar de a maioria hoje contar com alguém da assessoria artística na moderação, as comunidades andam sozinhas, pela boa vontade das pessoas que as frequentam.

Alguns nomes, como Maria Cecília e Rodolfo e o Tradição, apostaram no Ning, uma rede social que vem ganhando algum destaque, mas que, no Brasil, ainda é uma aposta.

O ideal seria que os sites oficiais possuíssem estruturas semelhantes aos fóruns vistos na internet, para que os fãs trocassem informações dentro de um veículo oficial, e para que o artista tivesse informações sobre quem se interessa pelo seu trabalho. Seria bom para as duas partes, mas como dá trabalho, gasto e tem o risco de não dar certo, há de se pensar em utilizar algo que já esteja pronto.

Não seria hora de transformar essas comunidades do Orkut em algo oficial, de fato, e não apenas reconhecê-las?

Somando o número de pessoas nas comunidades das duplas Victor e Leo, César Menotti e Fabiano, Zezé di Camargo e Luciano, Bruno e Marrone, Jorge e Mateus e João Bosco e Vinícius, chegamos a nada menos do que 1,2 milhão de pessoas. Obviamente várias delas estão em mais de uma, mas o número é significante da mesma forma.

Blog e Twitter dão trabalho aos artistas, que não tem tempo, mesmo, para se dedicar como deveriam. Só que o trabalho das tais "redes sociais" não depende da atuação deles, o que torna tudo mais viável. Antes da internet, os fã-clubes recebiam toda a atenção (muitos, ajuda financeira) para que se mantivessem ativos. Os substitutos dos fã-clubes, as comunidades, são administradas de uma forma um pouco menos preocupada, o que pode acarretar na perda de uma bela oportunidade de se afirmar dentro da internet.

A outra questão, sobre como fazer seu nome aparecer na internet, se confunde o tempo todo com "jabá" nesse nosso meio. Muita gente quer saber como sair aqui no Universo Sertanejo ou no UOL, principalmente depois de o site ter vindo para cá e as pessoas terem visto alguns textos meus no portal.

A resposta que eu dou desde quando o blog tinha poucos meses, é que o melhor jeito de conseguir aparecer, aqui e em qualquer outro veículo de imprensa, é fazendo algo diferente.

Eu costumo usar o exemplo do César Menotti, que saiu na capa do UOL com a vídeo aula que a maioria de vocês conhece. A ideia é simples, não é? É, e muito, mas ninguém fez. Ele fez, apareceu.

- "Ah, mas então é só famoso que aparece?".

Não é.

Em agosto do ano passado, o UOL publicou essa matéria. Roger e Robson entraram recentemente nas paradas das rádios de São Paulo, mas há sete meses, ainda não tinham conseguido isso.

Eles transmitiram o show ao vivo, por conta própria, com um modem 3G e um celular, no site oficial deles, direto de Barretos. Eu, que estava fazendo a cobertura, não os conhecia. Havia uma imensidão de duplas novas lá, mas nenhuma outra fez algo diferente. Eles fizeram, apareceram.

Aqui, na Campus Party, tem imprensa de todos os tipos e de todos os lugares. Em dezenas de eventos durante o ano é possível se fazer algo diferente e virar notícia com uma sacada boa.

O Edson, que agora segue carreira solo, lança seu novo CD em março com a participação do Pelé, e o ano é de Copa. Vai virar tema de matéria sem precisar de muito.

No pensamento insistente de que tudo só se consegue com dinheiro, deixa-se de pensar em coisas interessantes, e conseguir algum destaque vai se tornando cada vez mais difícil.

Os sertanejos já deram um grande passo ao profissionalizarem seus sites oficiais, algo que todos reclamavam dois anos atrás. A próxima etapa é começar a olhar melhor para as oportunidades que a rede oferece, já que a cada dia elas se tornam mais claras.

Por André Piunti às 02h34


Entrevista

Saiu hoje, no "Jornal de Itatiba", região de Campinas, uma entrevista em que eu falo sobre o Universo Sertanejo.

Quem quiser ler, é só clicar aqui.

Por André Piunti às 02h30

26/01/2010

"A casa caiu" de novo

No final do ano passado, foi disponibilizado, no site oficial da dupla, o novo CD da dupla Fernando e Sorocaba, o primeiro acústico da carreira deles.

Grande parte das pessoas que ouviram o CD e comentaram aqui, apontaram "Celebridade" e "Madri" como prováveis sucessos.

E não é que "A casa caiu" acabou caindo no gosto do público antes das outras?

Por esse motivo, a dupla escolheu gravá-la ao vivo durante um show, com banda completa e tudo, sem os ares acústicos da primeira versão.

A canção acabou de ficar pronta, e você pode conferir abaixo.

Por André Piunti às 15h29


O mais novo

Não é a primeira vez que me perguntam isso, e eu já estava devendo essa lembrança.

Quem foi o sertanejo que fez mais sucesso com menos idade? A resposta é meio fácil, não?

Lembrei de fazer essa postagem, aliás, por ter assistido a "2 Filhos de Franscisco" novamente nesse fim de semana.

O Luciano é, de fato, o cantor sertanejo de maior sucesso com menor idade. Ele gravou o primeiro disco, que tinha "É o amor", com 18 anos, e fez sucesso com 19 (o disco foi lançado em abril de 1991, e ele fez 19 anos em janeiro do mesmo ano).

E se "sucesso" é algo difícil de mensurar, ele tem uma marca que ninguém bateu e nem vai bater mais: foi o cantor sertanejo mais novo a vender um milhão de cópias, com esse disco de estreia.

Com 21 anos, o irmão de Zezé já estava para entrar na casa dos três milhões de CD's vendidos.

Por curiosidade - isso a grande maioria aqui deve se lembrar -, em 1992, já no segundo CD, a dupla acertou na aposta de deixar o segunda voz fazer as vezes de primeira na canção "Cara ou coroa". Foi a primeira vez que o Luciano fez primeira voz na dupla. 

A canção, para quem não se lembra, vai abaixo.

Por André Piunti às 01h32

25/01/2010

Record prepara série de reportagens com sertanejos

Nas últimas semanas, a Record tem acompanhado artistas sertanejos em suas viagens para uma série de reportagens que deve ir ao ar em março, no Jornal da Record.

Ao menos quatro nomes já foram tema para essas reportagens: César Menotti & Fabiano, Fernando & Sorocaba, Luan Santana e Maria Cecília & Rodolfo.

Se a emissora tem mesmo o interesse em um programa sobre música sertaneja, como muito se especula na imprensa, não dá para afirmar.

No entanto, o fato é que desde o segundo semestre do ano passado, duplas sertanejas tem sido frequentes em programas da casa.

Segundo as notícias que correm na internet, a emissora tem em mente um programa chamado "Vida sertaneja", e sonharia com Victor e Leo para comandar a atração.

Por André Piunti às 05h50


Placa de publicidade

Só para deixar registrado, caso alguém tenha a curiosidade de ver.

Hoje, na final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, haverá uma placa de publicidade da dupla Maria Cecília e Rodolfo.

No material, em vez da divulgação do último trabalho da dupla, haverá uma homenagem à cidade de São Paulo, que hoje completa 456 anos.

Essa já é quarta vez que o nome "Maria Cecília e Rodolfo" aparece em uma placa de publicidade durante jogos de futebol.

No amistoso entre Estônia x Brasil, no jogo Brasil x Bolívia, válido pelas eliminatórias da Copa de 2010, e em uma partida entre Cruzeiro e Uberlândia.

Por André Piunti às 01h48

Sobre o autor

André Piunti, 25 anos, é formado em jornalismo pela Facamp (Faculdades de Campinas). Natural de Campinas-São Paulo, criou o blog Universo Sertanejo no ano de 2007. Apresenta, desde janeiro de 2010, o programa Universo Sertanejo, líder de audiência na Rádio UOL. Além do blog e do programa, é responsável pelas coberturas especiais sobre música sertaneja no UOL. Apresenta, aos domingos, o Cowboy Nativa, para toda a rede Nativa FM. É autor do livro "Música sertaneja - Uma paixão brasileira".

Sobre o blog

O Universo Sertanejo teve início em 2007, como trabalho e conclusão de curso. A ideia de um portal, como previa o projeto, passou por mudanças e deu espaço a um blog, que se tornou referência em um pequeno espaço de tempo. Maior canal de notícias sobre música sertaneja, o Universo Sertanejo mantém suas atualizações diárias desde março de 2008. Veículo reconhecido no meio, juntou-se ao UOL em janeiro de 2010. contato@universosertanejo. com.br

Site Meter