UOL Música

Universo Sertanejo

12/06/2010

África

Fala, pessoal.

Parti hoje, sábado, para a África do Sul, onde ficarei instalado durante toda a Copa do Mundo, mais exatamente na Cidade do Cabo (estou postando esse texto durante uma escala).

As atualizações continuam aqui normalmente, com as notícias e entrevistas de sempre, além do programa de rádio, toda quarta-feira.

Talvez vocês reparem na ausência de postagens nesse sábado e domingo, por causa do voo, mas na segunda-feira tudo volta ao normal, com um entrevistão que eu creio que grande parte de vocês vai gostar.

Não pretendo publicar por aqui nada que tenha relação com futebol, a não ser que de alguma forma haja ligação com a música sertaneja.

Quem quiser acompanhar o que eu produzirei ao longo desse mês além da música sertaneja, pode me seguir no twitter (@piunti)

Como disse uma leitora também no twitter, se eu conseguir uma vuvuzela no formato de berrante, prometo comprar umas para sortear =)

Até daqui a pouco.

Por André Piunti às 17h49

11/06/2010

Chrystian e Ralf de CD novo

Reconhecidos por fãs e artistas como uma das duplas mais talentosas da música sertaneja, os irmãos estão de disco novo e garantem que continuam no mesmo estilo: o estilo Chrystian e Ralf.

Com um repertório que vai de música espanhola, passa por sertanejo, até rock dos mais pesados, a dupla lança um trabalho inédito , intitulado "Para sempre irmãos", após dois projetos que traziam releituras: "Viajando pelo Brasil", de 2002, e "Acústico 2", de 2007.

O novo trabalho, com 13 músicas, está disponível em SMD (mídia criada pelo próprio Ralf) e pode ser comprado por R$ 5.

Conversei com os dois ontem, antes de um ensaio, e a conversa pode ser conferida abaixo.

O assunto "SMD" foi abordado, mas haverá outra postagem em momento oportuno para falar só disso, já que o assunto rendeu bastante.

___

Apos o "Viajando pelo Brasil" e o "Acústico 2, vocês lançam agora um CD inédito no qual duas músicas com arranjos mais pesados chamam a atenção logo de cara, "Vá" e "Casa". Como foi a composição desse trabalho e a escolha do repertório?

Ralf: Nós levamos dois anos pra escolher o repertório, não tá fácil escolher um repertório de qualidade. Tá tudo muito igual, então você acaba levando quase três anos pra escolher, e leva vinte dias pra gravar.

Sobre essas músicas que você citou, quem conhece Chrystian e Ralf sabe que esse é o trabalho que a gente sempre teve, que é fazer o que a gente gosta, trazer coisas novas, expandir a cabeça pra qual seja o lado. O disco não é um disco de sertanejo, um disco de rock, um disco de gospel. É um disco do Chrystian e Ralf, ao nosso estilo.

Essa opção por não ter um disco padronizado, feito para o mercado, é considerado por muita gente um erro. Vocês, no entanto,  não só fazem isso agora como sempre fizeram durante toda a carreira. Por que funcionou com vocês?

Ralf: Olha, são 27 anos de sucesso, sempre gravando o que nós queremos gravar. Eu poderia falar "oh, vou gravar um modão agora porque sei lá", "oh, vou gravar sei lá o que porque é o que tá rolando". Não, a gente não faz isso, a gente grava o que a gente gosta, e as pessoas se identificam com o que a gente gosta.

E também tem aquela outra questão que não é só papo, vou te dizer sinceramente. Quando você faz o negócio de coração, ele vai dar certo. Anota aí, pode por aí. Se você faz o que te faz bem, se você faz livre, do jeito que você gosta, as coisas voltam pra você. E isso serve pra todo mundo, pra qualquer estilo, pra tudo na vida.

Chrystian: As pessoas estão com uma mania de rotular. Agora Chrystian e Ralf tá gravando rock. Não, cara, a gente sempre fez essas coisas. O rótulo bitola muito a arte. Arte não tem limite, se você tiver conhecimento.

Lógico que pra você querer fazer coisas novas, você tem que ir atrás, tem que estudar, tem que entender de música. Nós somos isso, surgimos fazendo assim. Nós temos história musical, temos vários tipos de influência. Isso permite que a gente se mantenha fazendo as coisas do nosso jeito. Já tem muitos anos que nós produzimos sozinhos, pensamos instrumento por instrumento, música por música.

Qual a opinião de vocês em relação a esse cenário novo da música sertaneja?

Ralf: Cara, olha o sucesso que eles tão fazendo. Tem uma gente que sei lá porque está querendo criar uma inimizade, uma divisão, querendo dizer que o Chrystian e Ralf, que o Chitão e Xororó não gostam, não reconhecem essas duplas.

Pô, tiram isso da onde? Isso não existe, isso é invenção. Mesmo porque esse movimento todo é positivo, aumenta o mercado, movimenta o mercado. Não existe o papo de "tomar o lugar de alguém". Ninguém vai tomar lugar de ninguém, cada um tem o seu, nesse meio tem pra todo mundo. A gente fala que hoje está tudo muito igual, mas isso é uma coisa que eu to falando porque a gente gosta de falar de música, e não porque eu quero criticar alguém. Não existe isso, não tem nada a ver.

Chrystian: E é legal também quando a gente vê sucessos nossos fazendo sucesso de novo com esse pessoal. Claro que a gente gosta de ver bem feito, que seja gravado com qualidade, com respeito, mas é legal. Nós mesmos falamos bastante com o César Menotti, com o Fabiano, a gente liga pra falar de várias coisas ou pra não falar nada mesmo. O que quer se criar é desnecessário, tá cada um fazendo seu trabalho, direitinho. Deixa cada um fazendo o seu trabalho e fazendo sua vida.

A gente não fica se comparando a ninguém, mesmo porque a gente é uma dupla que não é imitada. Acho uma bobeira falar mal de quem está aí fazendo seu trabalho direitinho, fazendo o que gosta.

Não só as duplas novas, mas o pessoal da sua geração também trata vocês como artistas diferenciados, sempre houve o papo de vocês serem a dupla mais afinada, os mitos e etc. O porquê disso e qual o seu sentimento de vocês em relação a isso?

Ralf: Primeiro de tudo, isso é estudo. Pra gravar esse disco, eu passei vinte dias estudando técnica vocal pra que ficasse do jeito que tava planejado. Eu fui o cantor registrado mais novo do Brasil, com 9 anos eu tomava conta de gravações nas maiores gravadoras do país. Tinha que gravar com todo tipo de artista, em qualquer horário, em qualquer tom. Nós sempre estudamos, não é só chegar e sair cantando que vai ficar bom.

Quanto ao jeito que falam da gente, é legal, a gente fica feliz por ver esse reconhecimento, a gente trabalha pra isso.

A forma de cantar mudou ao longo do caminho, né?

Ralf: Na verdade, tudo mudou no acústico 1 (de 1998). Ali, a gente sentiu uma necessidade de mudar, de buscar coisas novas. Eu cheguei pro Chrystian, falei e a gente concordou que era hora de tentar coisas novas. Nesse CD acústico, a gente mexeu nas vozes, mexeu no estilo como um todo, deu um chachoalhão. O Chrystian viajou pra buscar referências, eu fui estudar pra também trazer coisas novas. Acabou que essa ideia do acústico foi se popularizando entre as duplas sertanejas.

Chrystian: só pra te chamar a atenção pra uma coisa nessa conversa de estilo de cantar, se você pegar pra ouvir "Vá", que é a música mais pauleira do disco, você vai reparar que a segunda voz que eu faço nela é uma tradicional do estilão do Tião Carreiro. Meti uma segundona bem sertanejão na música.

Mas qual a pretensão ao gravar uma música assim? Tocar onde, exatamente?

Ralf: Cara, essa música tá estourada no Rio Grande do Sul, por exemplo. A gente saiu na capa do jornal de lá ao lado da banda "Picanha de Chernobill, mostrando que a gente ter regravado a música deles acabou apresentando mais a dupla pro estado. Porra, bicho, quer coisa mais legal do que isso?

Eu te falo que quando ainda existia o Palace, em São Paulo, a gente fez um show em que apresentamos "Nessun Dorma", da Turandot, uma ópera, e logo em seguida a gente mandou "Peão da cidade", uma moda de viola. Essas são as coisas que a gente gosta de fazer.

-Vai sair um DVD desse trabalho? Essa notícia chegou a ser comentada, não?

Chrystian: Diz a lenda que vai rolar sim. A gente não fez nada pra lançar nesse formato agora, mas quem sabe mais pra frente.

___

O disco traz diversos estilos de músicas e influências diferentes.

Abaixo, duas canções.

A mais sertaneja de todas, com letra e melodia no estilo mais "sofrido" dos anos 1980/1990, chamada "Briga de foice", e a mais pesada do disco, citada no texto algumas vezes, chamada "Vá.

___

Por André Piunti às 02h56


Ganhadores da Promoção - Guilherme e Santiago

Realizei o sorteio entre os quase três mil comentários participantes da promoção da dupla Guilherme e Santiago.

Foram três nomes sorteados. Cada um ganhará um kit especial com CD e DVD.

O sorteio foi feito, como sempre, no site "random.org".

Os ganhadores são:

___

-Guilherme Leonel

-Rafael Mendes

-Samyr Yukio

___

Na próxima semana começa outra promoção.

Obrigado aos que participaram e parabéns ao três ganhadores.

Por André Piunti às 02h41

10/06/2010

Leandro, Leonardo e os jovens...

As três duplas dos "Amigos" viraram um símbolo dos anos 1990, mas Xororó e Zezé di Camargo, especialmente, costumam ser colocados em um patamar acima dos outros, por suas qualidades vocais e conquistas pessoais.

Curiosamente, no entanto, os donos do disco mais vendido da música sertaneja são Leandro e Leonardo, como comentado aqui recentemente.

Mais curioso ainda, é que Leandro e Leonardo têm dois discos entre os dez mais vendidos do Brasil, e nenhum outro sertanejo aparece na lista (sim, o de 1998 aparece na lista muito por conta dos acontecimentos com Leandro).

Sem comparar a qualidade musical das três duplas (Chitão e Xororó, Zezé e Luciano e Leandro e Leonardo) - mesmo porque as três chegaram ao topo com seus méritos próprios -, Leandro e Leonardo trilharam caminhos diferentes.

Um desses caminhos foi o de aproximação com os jovens, e é desse que a postagem trata hoje.

Eles foram os cantores sertanejos daquela época que derrubaram a rejeição dos jovens com artistas que vinham da roça (ou do campo, como queiram).

A vestimenta era mais discreta, os cabelos eram cortados, a forma de cantar era mais comedida, os nomes eram mais comuns e Leonardo era o galã da turma.

Somado a esses detalhes, o repertório, que além das canções tristes e apaixonadas, trazia novidades.

Em uma entrevista com César Augusto, produtor da dupla, ele me disse o seguinte: "a gente resolveu pensar em coisa nova e eu meti uns teclados fortes, umas distorções, um vocal atrás, influências que eu trouxe de fora do sertanejo. Coloquei bateria, solos de guitarra. Era completamente diferente do que a gente ouvia na  época. Aí, você passava na rua, tinha um garotão numa caminhonete, com o vidro aberto escutando Leandro e Leonardo no último."

Para usar um termo comum hoje em dia, Leandro e Leonardo tinham elementos que o pessoal gosta de chamar de "pop". O próprio César Augusto, na continuação dessa resposta, disse que usava influências muito claras de Beatles e Simon and Garfunkel.

E a lógica do estrondoso sucesso deles não é tão difícil de entender: junto das letras bonitas, como "Desculpe, mas eu vou chorar", músicas menos sentimentais e mais descontraídas, acompanhadas de arranjos "modernos" (Entre tapas e beijos, Paz na cama, Cadê Você), como citou o César Augusto.

A aproximação com o jovem, na qual se sustenta o sucesso dessa geração de novos cantores, foi uma das importantes conquistas de Leandro e Leonardo durante a carreira. A expressiva venda do disco de 1990 mostra que o repertório foi de um ecletismo que poucas vezes conseguiu ser repetido.

Essas características de Leandro e Leonardo mostram que tentar algo diferente, mesmo com um modelo muito claro a ser seguido, pode dar mais certo do que se imagina, e isso pode ser aplicado em qualquer época, inclusive no cenário atual.

No novo DVD da dupla João Bosco e Vinícius, Leonardo participa cantando "Deixaria tudo", um de seus primeiros sucessos da carreira solo.

O vídeo mostra Leonardo se apresentando para um público predominantemente jovem, o mesmo que ele havia conquistado, ao lado do irmão, vinte anos atrás.

A apresentação pode ser conferida abaixo.

Por André Piunti às 03h05


Programa Universo Sertanejo #22

Fala, pessoal.

Entrou no ar, no final da noite de ontem, a vigésima segunda edição do programa Universo Sertanejo.

Dessa vez, escolhi onze novos nomes da música sertaneja, como Jorge e Mateus, João Neto e Frederico e Marcos e Belutti, que regravaram sucessos de 10, 20, até 50 anos atrás, como canções de Chitãozinho e Xororó, João Mineiro e Marciano e Durval e Davi.

O encerramento do programa, dessa vez, foi com a canção que o Edson gravou ao lado do Pelé, chamada "Sou brasileiro", já que a Copa do Mundo começa nessa próxima sexta-feira.

Para ouvir o programa, basta clicar na imagem abaixo.

Por André Piunti às 01h20


Guilherme e Santiago - Promoção

Como combinado, a promoção para ganhar três kits da dupla durou até às 23:59 dessa quarta-feira.

Por um problema de conexão da internet, não foi possível realizar o sorteio para divulgar os ganhadores já nessa quinta pela manhã.

Assim que o problema for resolvido, eu faço o sorteio e divulgo em seguida aqui, fechado?

Obrigado pela compreensão.

Por André Piunti às 00h45

09/06/2010

Seleção sertaneja

Os sertanejos foram para a seleção, pelo menos nas caricaturas.

Os desenhos são do cartunista Manga, que além divulgar seu trabalho em seu blog, publica essas caricaturas no portal sertanejo "Porteira Brasil".

Por André Piunti às 13h42

08/06/2010

Pré-programação de Barretos 2010

A assessoria do grupo "Os Independentes" divulgou, hoje, a pré-programação da festa desse ano, que acontece entre os dias 19 e 29 de agosto.

De acordo com a nota, a organização pretende levar mais de 100 atrações em 4 palcos diferentes.

Para o dia 21, sábado, aguarda-se a confirmação de uma atração internacional.

Segue abaixo as apresentações já confirmadas:

19/08 (quinta) - Ana Carolina
20/08 (sexta) -Victor & Leo, Exaltasamba
21/08 (sábado) - Atração internacional, Banda Hori, Alexandre Peixe
22/08 (domingo) - Fernando e Sorocaba
23/08 (segunda) - Dejavu, Bonde do Forró
25/08 (quarta) - Cezar e Paulinho, Sérgio Reis, Gian e Giovani
26/08 (quinta) - Eduardo Costa
27/08 (sexta) - João Bosco e Vinícius, Hugo Pena e Gabriel
28/08 (sábado) - Luan Santana, Jorge e Mateus, João Carreiro e Capataz, Matogrosso e Mathias

Por André Piunti às 18h49


Um pouco de história...

Algumas passagens da música sertaneja são curiosas, e essa é mais uma delas.

Das várias mudanças que o gênero teve, a da década de 1970 talvez tenha sido a mais significativa.

Foi nessa época que novos instrumentos passaram a integrar os arranjos, que bandas completas começaram a tocar em discos, desfazendo a tradicional hegemonia da voz, viola e sanfona.

Nesse período, surgiram três importantes nomes: Léo Canhoto e Robertinho, Milionário e José Rico e Trio Parada Dura.

E a recepção a esses novos nomes não foi exatamente das melhores.

É até estranho imaginar que Milionário e José Rico pudessem fazer um tipo de música que desagradasse aos próprios artistas sertanejos, mas isso aconteceu.

Pouco mais de dez anos atrás, Inezita Barroso deu uma entrevista a Rosa Nepomuceno, autora do livro "Música caipira - Da roça ao rodeio".

Nessa entrevista, publicada no livro, Inezita conta o que o surgimento de um novo tipo de música sertaneja causou na época. As críticas giravam em cima do assunto "descaracterização" do gênero.

"... não é que eu não goste, mas eles quebraram aquela unidade caipira. Então dali pra cá começaram a aparecer as duplas ditas modernas, né? Criou-se nesse momento, não uma inimizade, mas uma prevenção contra esse tipo de música. Os caipiras resolveram se unir, porque não havia mais lugar para eles, eles estavam indo embora, pro interior. "

De fato, o estilo de Léo Canhoto e Robertinho e Milionário e José Rico deu certo, e atingiu uma popularidade que a música sertaneja ainda não havia conseguido atingir. Naturalmente, esses nomes passaram a influenciar quem buscava o sucesso.

Sobre a década de 1990, principalmente com a influência da música country, Inezita, 85, que acompanhou toda a trajetória da música sertaneja, tem uma opinião bem mais direta e clara, que também diz respeito a questão da descaracterização.

"...o mercado foi dominado pela mídia, pelos zezés di camargo, pelos moderninhos, bonitinhos, pelas dublagens, playbacks e pelas dancinhas no palco. E isso tem muita gente boa que nunca vai fazer e prefere ficar de fora...

...com chapeuzinho de cowboy americano, cantando música country. Mas que country? Country é campo, em inglês, e é um gênero lindo da música americana. Eles fazem aquilo la há seculos e não se bandeiam daquele estilo deles, não. A nossa música country é a caipira mesmo, é a da fazenda, do interior.

Pra que importar se nós temos coisa melhor? Pra que ser macaquinho novamente, se fantasiar de caubói?"

A discussão é longa e sempre vai ter gente contra e a favor, mas de qualquer forma, é legal ver o que pensa alguém que faz parte da história.

Por André Piunti às 04h27


Chitãozinho, Xororó, Exaltasamba e João Carlos Martins

Foi confirmado, para o dia 25 de junho, uma nova apresentação da dupla Chitãozinho e Xororó ao lado do maestro João Carlos Martins e sua Orquestra Bachiana Filarmônica.

A apresentação acontece no Via Funchal, em São Paulo, e a ideia é de que outras datas sejam anunciadas para outras cidades, inclusive do exterior.

Quem tiver a oportunidade de ir, independentemente do gosto musical que tenha, com certeza assistirá algo muito acima dos padrões.

Fiz a cobertura da apresentação do ano passado, na Sala São Paulo. Quem quiser relembrar, pode clicar aqui.

___

Como comentado aqui, Chitãozinho e Xororó participaram da gravação do DVD do Exaltasamba, no último sábado, 5.

Há um vídeo, feito por alguém da platéia, no qual dá para ver a dupla cantando o pagode "Minha razão".

A qualidade do áudio não é a melhor, mas dá para ter ideia de como vai ficar a parceria dos irmãos com o grupo.

Por André Piunti às 03h54


Dois DVD's

Duas gravações de DVD's anunciadas esses dias:

Em Curitiba, dias 28, 29 e 30 de julho, Hugo Pena e Gabriel gravam o segundo DVD da carreira, no Curitiba Master Hall.

___

Em Sorocaba, interior de São Paulo, dia 15 de julho, a dupla Laluna e Vinícius grava seu primeiro DVD, produzido por Luciano (Zezé) e que contará com as participações de Fátima Leão, Felipe e Falcão e Zezé di Camargo e Luciano.

Por André Piunti às 03h53

07/06/2010

Rapidinhas...

-João Neto e Frederico

A dupla grava, amanhã, terça-feira, seu DVD intitulado "Só modão", em Goiânia. Os convidados para a gravação são Eduardo Costa, Fernando e Sorocaba, João Carreiro e Capataz, Alex e Konrado e David e Del Veccio.

___

-Na TV

Esse domingo foi um dos que mais atrações sertanejas teve nesse ano. Zezé e Luciano estiveram no "Domingo Legal", Pedro e Thiago no "Tudo é possível". Guilherme e Santiago participaram do Gugu e a dupla Jorge e Mateus participou do Faustão. Além disso, Zé Henrique e Gabriel estiveram no Silvio Santos.

___

-Guilherme e Santiago

Está rolando uma promoção aqui no blog que vai sortear três kits com CD e DVD da dupla Guilherme e Santiago, e que se encerra na próxima quarta-feira. Quem quiser participar, pode clicar aqui.

___

-Chitãozinho e Xororó

A dupla participou, no sábado, do DVD de 25 anos do Exaltasamba. O UOL publicou um álbum de fotos da apresentação. Para conferir, clique aqui.

___

-Luan Santana

O cantor estampa a capa da revista Billboard de junho. É a primeira vez que um sertanejo sai na capa da revista.

___

-Zezé di Camargo e Luciano

A dupla estrela o comercial de TV das lojas Marabraz especial para a Copa do Mundo, assim como fez em 2006. O vídeo pode ser conferido abaixo.

___

-Eduardo Costa

O cantor está lançando vários clipes até o dia da gravação de seu segundo DVD, que acontece no segundo semestre desse ano. Na semana passada, ele havia lançado um vídeo da música "Pele, alma e coração". Dessa vez, a música escolhida foi "Sou seu fã nº 1".

Por André Piunti às 02h18


As vozes...

Esse vídeo foi postado aqui pouco mais de dois anos atrás, em um "Ah, Domingo...", mas volta agora por um motivo diferente.

Além de muita gente não ter visto, ele traz duas vozes muito bem postadas e que servem como uma grande lição para quem gosta de cantar música sertaneja de um jeito que a gente não costuma ouvir por aí atualmente.

Aos que não são profissionais, vale tentar seguir uma das vozes e ver se encaixa com a outra.

Os intérpretes e a música dispensam comentários.

André e Andrade cantam "Pássaro sem ninho".

Por André Piunti às 02h06

06/06/2010

Ah, Domingo...[37]

Já comentei aqui que acho encontros de duplas uma das coisas mais legais de se assistir, principalmente quando se trata de artistas de gerações diferentes.

O vídeo abaixo é relativamente recente, de um encontro entre as duplas Guilherme e Santiago e Durval e Davi.

Essa apresentação faz parte do DVD do Guilherme e Santiago gravado em Goiânia, lançado em 2008.

A música se chama "Homens", gravada por Milionário e José Rico em 1981, composição do José Rico.

Por André Piunti às 10h56

Sobre o autor

André Piunti, 25 anos, é formado em jornalismo pela Facamp (Faculdades de Campinas). Natural de Campinas-São Paulo, criou o blog Universo Sertanejo no ano de 2007. Apresenta, desde janeiro de 2010, o programa Universo Sertanejo, líder de audiência na Rádio UOL. Além do blog e do programa, é responsável pelas coberturas especiais sobre música sertaneja no UOL. Apresenta, aos domingos, o Cowboy Nativa, para toda a rede Nativa FM. É autor do livro "Música sertaneja - Uma paixão brasileira".

Sobre o blog

O Universo Sertanejo teve início em 2007, como trabalho e conclusão de curso. A ideia de um portal, como previa o projeto, passou por mudanças e deu espaço a um blog, que se tornou referência em um pequeno espaço de tempo. Maior canal de notícias sobre música sertaneja, o Universo Sertanejo mantém suas atualizações diárias desde março de 2008. Veículo reconhecido no meio, juntou-se ao UOL em janeiro de 2010. contato@universosertanejo. com.br

Site Meter